terça-feira, 20 de junho de 2017

Segredo.20.17


17 comentários:

  1. Então porque seguiste essa área?

    ResponderEliminar
  2. E quando te matriculaste não sabias já???

    ResponderEliminar
  3. Não consegue enfrentar porque ganha ansiedade e o seu pensamento bloqueia quando percebe que é o centro das atenções e que tem aqueles olhos todos virados para si, avaliando cada atitude sua e cada passo seu. Saiba que esse "medo" será muito importante para si quando iniciar a sua actividade de advocacia. De tanto recear fazer má figura, você irá cometer muitos poucos erros. O resto é como em tudo na vida, o que custa sempre é arrancar porque depois de embalar já ninguém nos pára.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, esqueceu-se foi de quem ele poderá estar a representar...

      Eliminar
    2. Anónimo das 18:54,

      A prática leva à perfeição. Começa com processos simples e à medida que vai ficando mais confiante começa também a aceitar casos mais complicados. Se cometer erros pelo caminho que sejam erros que não possam ser lembrados.

      Eliminar
    3. Depende do problema da autora. Eu tenho ansiedade social e noto que tende a agravar com o tempo. Não há espaço para a prática, porque tenho ataques da pânico nas ocasiões em que tenho que falar em público.

      Eliminar
    4. Anónimo das 15:58,

      Quando era mais novo também passei por algo assim até que percebi que as outras pessoas não eram mais importantes do que eu, logo, porque devia eu temer o julgamento delas?
      Sei que não é bonito dizê-lo mas, muitas vezes, o melhor modo da gente conseguir se respeitar a si própria é deixar de respeitar os outros..

      Eliminar
    5. Francisco, eu sei que as outras pessoas não são mais importantes que eu. Aliás, tenho em mim até algum espírito de desafio às várias autoridades. Mas estas patologias (sim, a ansiedade social é uma patologia clínica) não se prestam a racionalizações. Seria como dizer a alguém com arritmia cardíaca que tente ter um ritmo de batimentos normal.

      Eliminar
    6. Anónimo das 18:27,

      Como disse no meu comentário anterior, também eu já passei por uma situação desse tipo quando era mais novo. E se para mim a ultrapassagem do problema foi possível através de um processo puramente racional...porque razão esse processo não poderia servir também para os outros?
      Este tipo de patologia só se torna verdadeiramente um problema se ele se tornar crónico.

      Eliminar
  4. Nem tudo na advocacia é tribunal. Há outras áreas, outras opções.

    ResponderEliminar
  5. Podia ser o meu segredo.. 4º Ano de Direito e muito bloqueio e coração a palpitar ao falar em público.

    ResponderEliminar
  6. Pede ajuda :)
    Aprendes a compreender e a lidar com o teu medo.
    Custa, mas a recompensa é gigante!

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  7. Tens duas opções: enfrentas o medo e conquistas o hábito ou dedicas-te a outra área. Não serias a primeira.

    ResponderEliminar
  8. Foi uma das razões pelas quais não segui Direito! Mas estou arrependida pois só depois percebi que havia outras possibilidades, por isso, não fique assim... Pode ser consultora jurídica ou trabalhar numa entidade onde tem que emitir pareceres e análises sobre casos diversos e aqui não tem que falar... Se eu soubesse, teria ido para Direito na mesma...
    Força nisso!

    ResponderEliminar
  9. Há smp outras opções na área que sejam mais "recatadas". Ainda assim podes smp pedir ajuda no sentido de ganhar autoconfiança e te desinibires. Penso que há formações e cursos nesse sentido. Boa sorte!

    ResponderEliminar
  10. Pois. Não vais ser uma grande advogada.... mas isso trabalha-se, por isso ainda podes contornar esse problema. Mas se pensas realmente não conseguir mesmo com esforço, não faças advogada, pelo menos não tendo que ir ao tribunal. Pois é preciso alguém com muito carisma e que saiba falar e defender o cliente.
    Senão tens a opção de trabalhar em direito, mas sem ser advogada.... penso que hoje em dia não se aceitara muito um advogado que apenas faça aconselhamento ou papelada sem a possibilidade de ir ao tribunal, espera-se que sejam polivalentes.
    Mas acho um pouco estranho como noção, querer exercer uma profissão em que não lhe agrada fazer o que essa profissão faz o mais, é um pouco contraditorio, sobretudo que alternativas ha muitas

    ResponderEliminar
  11. Ha muitos advogados que não são de contencioso...Mas no Direito há mais áreas sem ser essas.

    ResponderEliminar