segunda-feira, 3 de julho de 2017

Segredo.03.14



Conheci a minha atual namorada numa rede social de relacionamentos. 
No início não tive interesse, pois ela mostrava-se misteriosa, não tinha facebook, instagram, nada de fotos.. Achei estranho.  Na minha cabeça poderia ser um homem passando-se por mulher, um maníaco entre outros tipos de pessoas como estas que vemos nesse mundo afora. 

Conversamos bastante e ficamos de ir ao cinema. Mas acabei por desmarcar por estar com medo de quem eu poderia conhecer naquele final de semana.. Contudo, mais tarde lá acabamos por nos conhecer pessoalmente. Gostei muito dela e namoramos há 6 meses.

Vivemos hoje uma história linda. Um relacionamento que nunca tive. Sempre me relacionei com pessoas frias, e ela tem-se mostrado uma pessoa totalmente diferente das anteriores. Carinhosa, atenciosa... é tudo tão recíproco. Chegou a comentar que faria inseminação artificial, que iríamos casar.. Dá para perceber que ela realmente gosta de mim.

O problema é que ela é funcionária pública, e na área em que ela trabalha é muito conhecida, inclusivamente em outros países. Não se assume por medo de "perder o respeito" e acha que as pessoas não vão levá-la a sério se descobrirem sua orientação sexual.

É assumida apenas para a mãe.  Quando os parentes e amigos vão à casa dela temos que ficar distantes uma da outra, para que ninguém descubra. 

Cheguei até a ouvir um audio de uma das amigas dela que dizia: "Oi amiga, tudo bem? E então  já casaste? Já arranjaste um boy? Conta-me as novidades".

Estou triste por ela me ter dito que estaria confusa, pois quando estamos só nós duas é tudo maravilhoso, mas quando existem outras pessoas "que não podem saber" do nosso relacionamento tudo muda.
Eu disse-lhe que ela teria então 2 opções: Ou teria de casar com um homem  e viver uma vida infeliz ou ficaria só.

Nunca pressionei para que ela assumisse o nosso namoro, eu entendo e muito a situação dela.  Eu amo-a muito e tenho medo de perdê-la.. Mas não sei o quanto conseguirei suportar para viver esse amor pelo resto de nossas vidas.

20 comentários:

  1. Ora bem, namoram apenas há 6 meses e diz "Chegou a comentar que faria inseminação artificial, que iríamos casar...".
    Tu lá sabes, eu ficaria de pé atrás.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso o mesmo. E inseminação quando nem sequer se assume com os amigos?

      Eliminar
  2. Uma funcionária pública em Portugal conhecida até no estrangeiro?
    Sinto um aroma a esturro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo e mais ... acho quando alguém gosta mesmo a sério, a opinião dos outros não conta mesmo para nada.

      Eliminar
    2. Ela mora no Brasil.

      Eliminar
    3. E? Morar no Brasil, não altera a situação em nada...

      Eliminar
    4. Há vários cargos na função pública. Professores universitários nas universidades do Estado, por exemplo, são funcionários públicos, e muitos são muito famosos.

      Eliminar
    5. E a quem no mundo académico irá interessar a orientação sexual?
      Se não for mentira, é mais provável que seja uma figura pública do que uma funcionária pública. A menos que estejamos a falar de alguém ao nível da Merkel, alguma eurodeputada ou algo do género.

      Eliminar
    6. Pode trabalhar na politica.

      Eliminar
  3. há tanta gente tão mais importante e muito mais conhecida do que essa tua "namorada" e que se assume...
    que fico com algumas dúvidas sobre a as "intenções" dela...
    (não é só nas redes sociais que estão as "pestes" e os tarados...)

    ResponderEliminar
  4. E? Não coloques pressão nenhuma e vive o momento.
    Não penses no que poderia ser mas naquilo que é. Vive o presente!

    ResponderEliminar
  5. Quando as pessoas se amam de verdade arranjam forma,e é isso que acontecerá.
    Acredito que se o vosso amor é verdadeiro vão arranjar forma de ficarem juntas,seja "às escondidas" ou não.
    Sejam felizes seja como for,pois isso é o que realmente importa,boa sorte e um beijinho grande*

    ResponderEliminar
  6. com 6 meses de namoro, estás a pensar demais. seja ela conhecida, seja ela quem for. deixa rolar.

    ResponderEliminar
  7. Ha imensas "celebridades" que são assumidas. Qual é o problema mesmo?

    ResponderEliminar
  8. Isto é uma questão deveras complicada. Muita gente incentiva os homossexuais a assumirem-se perante a sociedade mas muitas vezes é com a intenção de saber quem são para poder dizer mal deles. Ser uma figura pública não torna as coisas mais fáceis para ninguém mas se toda a gente tivesse medo das consequências, o Leo Varadkar nunca teria chegado a Primeiro-ministro da Irlanda.

    http://observador.pt/2017/06/06/leo-varadkar-o-homossexual-filho-de-imigrantes-que-sera-primeiro-ministro-da-irlanda/

    Há momentos em que as pessoas tem que mostrar a sua coragem e definir o que é mais importante para a sua vida. Se ela gostar realmente de si, tem que orgulhar-se de si e não sentir vergonha.

    ResponderEliminar
  9. Ela é insegura. Vivam o agora, tudo tem o seu tempo.

    ResponderEliminar
  10. Estamos a falar de uma relaçao de 6 meses.

    ResponderEliminar
  11. T.T.
    Entendo a reação dela... eu também moro no Brasil.
    Entendo que a sociedade é machista e infelizmente isso conta.

    Por outro lado, acho que ela poderia pensar em viver feliz e criar uma resistência.

    OBS.: eu vivo da mesma maneira que ela. (e não sou famosa)

    ResponderEliminar
  12. Cara Autora,
    Como disse, a sua namorada não se assumiu ainda a ninguém, excepto à mãe e namora consigo apenas há meio ano. Neste seguimento, por muito séria que seja a relação, parece-nos precipitado que se sinta no direito de apresentar ultimatos à sua namorada: "ou casas com um homem, ou ficas sozinha?"
    Cada coisa a seu tempo. A vida dela não pode mudar a 100% por causa desta relação e acredite que mudaria, principalmente tendo em conta o trabalho que tem, formal, rodeada de pessoas, muito provavelmente, conservadoras.
    É da sua parte que ela precisa de apoio - não de ultimatos - para ir gerindo a vida de forma a que o que tem consigo não influencie o resto de forma negativa.
    É à Autora que se exige compreensão, apoio e paciência nesta fase, e não o contrário, porque estar consigo nestas condições também não deve ser uma escolha fácil para a pessoa com quem está.

    ResponderEliminar