quinta-feira, 19 de abril de 2018

Segredo.19.15


17 comentários:

  1. Está a falar de inteligência emocional ou capacidade de aprender ou reter conteúdos ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só conhece esses dois tipos de inteligência? E a capacidade para o raciocínio lógico?

      Eliminar
  2. Faz por isso também. Estimula a curiosidade e o conhecimento.

    ResponderEliminar
  3. São ambas as coisas importantes.

    ResponderEliminar
  4. Por vezes gente inteligente é superada por gente esperta. E gente inteligente que não faz um esforço e gente menos inteligente que se esforça e ficam em pé de igualdade...

    ResponderEliminar
  5. Que idade tem a sua filha?

    Nuno

    ResponderEliminar
  6. Porque se não for inteligente...isso quer dizer que vai deixar de ser sua filha?
    Acho que o mais importante é ela conseguir ser feliz ao longo da vida dela, porque aquilo que não falta por este mundo fora, é gente inteligente...muito infeliz.

    ResponderEliminar
  7. Trabalhe o lado que vê défices. Com prática tudo assimila s . E a vida encarrega s do resto

    ResponderEliminar
  8. Tenho um amigo com duas finhas. Uma tem 17 anos e é super inteligente, entrou em medicina e só tem notas altas, além de ser muito madura. A outra tem 6 anos, e ele só me diz que ama aquela criança por tudo, por ser filha claro, por ser meiga, ser sociável e pacífica...mas diz que ela é burrinha que nem uma porta. Eu só acho que ela é muito diferente da mais velha e ele nota diferença. Cuidado com esses desejos, pois podem levar a exigências muito complicadas da sua filha carregar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem se refere a um filho nesses termos não é boa rez.

      Eliminar
  9. Só comentários politicamente corretos!

    A inteligência tem muitas vertentes. O meu irmão, p.e., nunca foi uma pessoa dita inteligente para a escola. Não se esforça, não gosta de aprender, não quer saber da escola para nada, nunca teve boas notas, já reprovou sei lá quantos anos... Isso não seria um problema em si porque a inteligência académica diz muito pouco sobre a nossa pessoa. A inteligência emocional é também importante e há outras formas de inteligência "do dia a dia" em que ele também falha. Parece que vive alheado do mundo. Isso preocupa-me sim. Não por vergonha dele, por achar que ele fica aquém das minhas expetativas ou o que quer que seja, mas sim porque preocupa-me o futuro dele. É uma pessoa alheada do mundo, pouco desenrascada, que nada conhece da vida... Preocupa-me que encontre alguém que se aproveite da ingenuidade dele, da sua boa vontade e da sua falta de inteligência para coisas banais.
    Não é uma pessoa atrasada ou com problemas de aprendizagem, apenas mais imaturo e sem vontade de se dedicar a aprender o que quer que seja.

    Que ninguém me venha dizer que o que importa é o interior... porque pessoas menos inteligentes (seja no que for ou qual a nossa conceção de inteligência) são tomadas por parvas, tomam decisões de vida menos acertadas em algumas situações, passam por maiores apertos. Lembrem-se que a inteligência não é só ser super culto, saber de tudo ou tirar excelentes notas. A inteligência prática, que nos facilita (ou não) o dia a dia, é importante! Percebo, e bem, a preocupação da autora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo essencialmente com a segunda parte do seu comentário.

      Também me quer parecer que a sociedade tal como está é muito limitadora no seu conceito de inteligência, e nem sempre ser um às na escola (tomando um exemplo) significa que seja um ser humano capaz.

      Na minha opinião, e como sugestão/ conselho para a autora: tente perceber que tipo de inteligência falta à sua filha, e como mãe e responsável por ela estimule-a. Ensine-a a ser uma pessoa auto-suficiente, capaz de pensar pela própria cabeça, incutindo valores, etc.

      Eliminar
    2. No meu caso, sempre me fizeram acreditar que ser inteligente é a mesma coisa que ter boas notas. Admito que não fui uma aluna brilhante. Não por burrice mas por não saber lidar com a hostilidade da escola (bullying e não só). E não tive sorte nenhuma na vida escolar e familiar. Passei por algumas situações traumáticas na escola e a ''ajuda'' foi ser rotulada de ''burrinha'' e ''maluca'' ouvi estas palavras com todas as letras não só na escola como por parte de familiares (ainda hoje não lhes perdoo). A directora da escola sempre que se cruzava comigo insultava-me e só não me batia porque não calhava. Tive uma infância cheia de faltas de respeito e comparações com os outros dando a entender que os outros são perfeitos por terem boas notas e eu um monte de lixo. Um exemplo: quando tinha nove/dez anos uma vizinha costumava vir brincar a minha casa e a minha avó não perdia oportunidade em fazer-lhe perguntas inoportunas para depois atirar-me à cara que ela sabe e eu não e que ninguém gosta de mim por não saber. À medida que ia avançando na vida percebi que ter boas notas não é sinónimo de inteligência. Aliás, a maioria dos meus colegas com boas notas eram as piores de carácter. Eram rufias e sem respeito nenhum pelo próximo.
      A minha irmã sempre teve boas notas e sempre trabalhou para as ter mas é péssima em cultura geral chegando a dizer algumas barbaridades. Ela não é burra. Simplesmente, quase nunca tinha tempo para ler um livro ou uma revista ou ver telejornais. A escola e a faculdade sugavam-lhe o tempo todo. Não sei como ela não teve um esgotamento... E teve bastante sorte na escola ao contrário de mim e tem mais capacidade em lidar com a negatividade das coisas e sabe impor e não se encolhe como eu.
      Quanto a autora do segredo o Anónimo20 de abril de 2018 às 10:16, Anónimo20 de abril de 2018 às 15:23 disseram tudo.

      Eliminar
    3. Não concordo de todo. A única inteligência que se pode reconhecer no ser humano está na sua capacidade de ser feliz e viver da forma que gosta. De nada serve ter boas notas, muito anos de estudos, muita cultura e um alto grau académico, se essa pessoa passar a vida dela zangada ou deprimida com alguma coisa...
      Se alguém passar a vida a chorar e outro passar a vida a sorrir, sem dúvida alguma que aquele que sorri revela ser muito mais inteligente, porque consegue fazer aquilo que a maioria não consegue.

      Eliminar
    4. Há quem ria apenas porque é ignorante.
      Acho que não é bem por aí.

      Eliminar
    5. Francisco, parece-me que está a confundir coisas. Uma pessoa inteligente que passa a vida zangada e deprimida é isso mesmo, uma pessoa inteligente zangada e deprimida. Não deixa de ser inteligente por não ser feliz. Há gente inteligente infeliz, gente inteligente feliz, gente burra feliz e gente burra infeliz. A mais das vezes, há um matizar destes conceitos, que a vida é mais complexa que isto :)

      Eliminar