sexta-feira, 4 de maio de 2018

Segredo.04.14


15 comentários:

  1. Qual achas mesmo que é a parte mais difícil?!

    ResponderEliminar
  2. É mesmo, fogo! :/
    Nós é que passamos pelas mudanças praticamente todas, e eles ficam ali... Iguaizinhos!

    ResponderEliminar
  3. se julgas que a parte mais dícil é estar de barriga estás muito impreparada para a maternidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela não disse qual era a parte mais dificil.
      Mas seja qual for, é sempre a mulher a ficar com ela.

      Eliminar
  4. Perpectivas, para umas mulheres a parte mais dificil é só isso mesmo, dificil, para outras é um privilegio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo q vejam a gravidez como um privilégio, não significa que não tenha a parte mais dificil para ela...

      Eliminar
  5. A parte mais difícil de ter um filho não é trazê-lo ao mundo, mas sim cuidar dele...
    Para além disso, como homem, nunca poderia sentir o elo indestrutível existente entre a mãe e o seu filho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Descanse, que ele não existe. Os elos existem entre quem gosta e cuida, independentemente de ter parido ou não. Não sou mãe, mas tenho uma e, se em criança senti esse elo, hoje gosto muito mais de pessoas com quem não tenho qualquer laço familiar.

      Eliminar
    2. Anónima(15:20), porque não haveria eu de sentir-me descansado? :)

      Confio e concordo com aquilo que diz. Onde houver amor, há sempre um elo inquebrável. Mas também acredito que haja um sentimento, diferente de todos os outros, que só uma mãe consegue sentir pelo seu bebê durante o tempo de gravidez/gestação. E é sobretudo a esse elo que me refiro.

      Eliminar
    3. Sim, durante o tempo de gestação acredito :)
      Mas acho que depois de estar cá fora, são as atitudes que irão moldar o amor (ou ausência dele) de parte a parte.

      Eliminar
    4. Eu acho que o elo existe sempre, não é a toa que muitos filhos adotados procuram os pais biologicos durante anos, só para tapar um buraco emocional. Independentemente de terem ou nao uns pais adoptivos maravilhosos. O ADN fala muito alto, seja amor ou odio, é alto.

      Eliminar
    5. Bem... Também existe um monte de mães que dizem que só conseguiram "amar" o seu filho tempos depois deles terem nascidos.
      Acho q não é a gravidez q causa esse "elo" sinceramente.
      O caso dos filhos q foram para adoção, acho q não se aplica assim tão bem, existe um monte de motivos para procurarem os pais.
      Alguns só querem conhecer e depois vão as suas vidas.

      Eliminar
  6. A imagem não será ilustrativa e o desabafo acerca do facto de uma grande parte dos homens não se dedicar tanto às tarefas e responsabilidades com os filhos?

    Apesar de perceber o problema tb acho que muitas mulheres engravidam de machistas, que sempre só pensaram neles e nunca levantaram uma palha mas acham que eles vão mudar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade.
      Mas eles não deixam de fazer parte do grupo dos homens (q tem as suas responsabilidades mesmo q não as façam).

      Eliminar
  7. Pois eu adorei a parte mais "difícil"! :)

    ResponderEliminar