segunda-feira, 4 de junho de 2018

Segredo.04.10


13 comentários:

  1. Talvez porque, muitas vezes, ninguém conhece melhor os filhos do que os pais...e sabem que depois de passar o efeito "ansiedade", as coisas costumam voltar à normalidade. Também é sabido que nos dias de hoje, a juventude não está habituada a sofrer nem a lutar por nada (a não ser que o "nada" seja um telemóvel de 500 ou 600 euros), e desiste demasiado facilmente das coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim parece-me que ele/ela não teve coragem de dizer aos pais...

      Eliminar
    2. Essa conversa de "nos dias de hoje, a juventude..." é sempre tão, mas tão redutora! Que mania de julgar e generalizar!

      Eliminar
    3. Comentários destes ajudem imenso... "Ai a juventude de hoje"; "ai antigamente é que era"... Lol. Todas as gerações dizem o mesmo. Ridículo!

      Eliminar
    4. Anónimo(13:00 e 21:46), peço desculpa se consegui ofender susceptibilidades, mas não posso deixar de constatar as diferenças existentes entre a realidade que conheci, no tempo em que era mais jovem, e aquilo que vejo hoje. Na empresa onde trabalho, por exemplo, chefio uma secção ligada ao ramo da logística, e, frequentemente, vejo "jovens" a desistir do primeiro emprego ao fim de 2 horas. No meu tempo isso era o tipo de coisas que, simplesmente, não podíamos nos dar ao luxo de fazer. Logo que o trabalho mostre alguma dureza, a juventude desiste logo. Abandona o barco. Essa é que é a realidade e qualquer um pode constatá-la.

      Eliminar
    5. "O efeito ansiedade"... A Ansiedade não é um efeito e o que o/a autor/a diz sentir e Infelicidade. Estar infeliz não é coisa da idade....

      Autor/a lamento imenso.... Sei o quão difícil é sentir que nos nossos pais nos entendem. Muita força para ultrapassar essas dificuldades.

      Eliminar
  2. Diz um velho ditado que não podemos controlar os ventos que sopram no barco, mas podemos ajustar as velas para chegarmos a bom porto. É exactamente o que faz a pessoa resiliente: ajuste as velas para chegar ao seu objetivo, adaptando-se e agindo com flexibilidade diante desta conjuntura adversa, que é estar fora do seu país e dos seus familiares. Resiliência é um dos sinais da pessoa forte, capaz de enfrentar e suplantar crises, problemas, obstáculos e adversidades para mais tarde se sentir realizada e orgulhosa.. Não desista, seja resiliente.

    Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por estes tipo de comentário que gosto de vir ao shiuuuu. Não sou fã da cusquice alheia de todo, mas é à custa de alguém que tem a coragem de partilhar um segredo (e ainda assim sujeitar-se a comentários idiotas) que conseguimos por vezes encontrar anónimos cheios de bom senso e que fazem das suas palavras autênticos conselhos para todos os quiserem "escutar". Obrigada caro Nuno, palavras certas no dia certo!

      Eliminar
    2. Concordo com o Nuno mas penso também que temos que saber identificar quando é que insistir é vantajoso ou não.
      Emigrar pode ser óptimo ou pode ser horrível e muito dependente da nossa atitude e noção da realidade mas também da sorte. E por vezes regressar ao país de origem é o melhor que fazemos na nossa vida e para a nossa qualidade de vida.

      A experiência é sempre enriquecedora e uma mais valia e regressar pode ser um passo em frente e não um passo atrás.

      Nem sempre os rendimentos compensam se tivermos em conta o custo de vida. Se introduzirmos o factor da qualidade de vida então muitas vezes a balança pende mais para um dos lados... Por isso se emigrar não for para a autora do segredo o seu futuro não há mal nenhum em regressar e fazer a vida cá ou até simplesmente mudar de país para outro onde a cultura tem muito mais a ver consigo.

      Eliminar
  3. Portanto, eles desviaram o assunto para tu tentares ficar onde estás? Ou foste tu que não tiveste coragem de falar no assunto com eles?!

    ResponderEliminar
  4. Estive numa situação parecida e a minha mãe nunca me deixou desistir. Volvidos quase 20 anos agradeço-lhe do fundo do coração toda a força que me deu e de nunca me ter deixado regressar, apesar de ela propria ter chorarado como uma Maria Madalena de cada vez que me ia por ao aeroporto. É sempre dificil o inicio. Talvez precises de um pouco mais de tempo. Boa sorte :)

    ResponderEliminar
  5. Mer**! Esta também sou eu.

    ResponderEliminar