quinta-feira, 7 de junho de 2018

Segredo.07.14


18 comentários:

  1. fodasssxxxxx e há quem não saiba o que é ser beijado há anos. Merda de decadência das relações humanas. Tudo carne para canhão.

    ResponderEliminar
  2. A menos que esses beijos durem horas não há razão nenhuma para fazer isso. Enquanto é beijada beije de volta e disfrute. O resto.. pensa a seguir

    ResponderEliminar
  3. A isto eu chamo um beijo multifuncional...

    Se um dia houver avanços sexuais na vossa relação, não só a casa vai ficar toda arrumada como ainda vai haver tempo para lavar a roupa, rechear o peru e fazer a declaração do IRS antes que ambos consigam atingir o orgasmo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe-se lá porquê, assume que ainda são namorados e ainda nem tiveram relações. Para mim pode ser o oposto: pode já ser um casal junto há vários anos em que o beijo já não é a novidade dos primeiros tempos.

      Eliminar
    2. Anónimo(12:23), sim...tem razão. Assumi de facto que pudesse ser um casal de namorados e fiz isso por uma boa razão. O acto de beijar.
      Poderá não concordar comigo, mas tenho para mim que, à medida que os anos passam pela vida de um casal, os beijos, também à semelhança da paixão, tendem a desaparecer...até chegar ao dia em que deixam mesmo de ter significado. No começo os beijos são um elemento essencial que traduzem a paixão do casal e no fim...parecem traduzir mais vergonha do que outra coisa. E quando digo isso, acho importante sermos capazes de fazer a respectiva separação entre "dar um beijo" e..."beijar"...

      Eliminar
    3. Não concordo em parte consigo, é um facto. :) É verdade que no início das relações a paixão é imensa e que depois desaparece, dando lugar ao amor (e é assim que deve ser) e concordo que é essa paixão que leva as pessoas a quererem estar sempre a beijar-se (e mais do que isso), e que depois, os anos, a convivência, as novas responsabilidades, a falta de tempo, os filhos, fazem com que o carinho físico diminua. Mas não consigo concordar que o beijo passe da "tradução da paixão" para a "tradução da vergonha". Já estou com o meu marido há muitos anos, já somos casados, temos um filho, estamos com 35 anos e ainda ontem nos sentámos no sofá simplesmente a beijarmo-nos durante um bocado. Continuamos a sentir necessidade de o fazer porque no meio da nossa vida atarefada e do cansaço, é o mínimo de contacto físico que às vezes conseguimos fazer.
      E como comentei mais em baixo, já houve fases da nossa vida em que um ou outro admitiu depois ter estado com a cabeça noutro lugar mesmo enquanto nos beijávamos.

      Eliminar
    4. Anónimo(15:00), na verdade, concordamos muito mais do que seria suposto. Quando afirmei que, no fim, os beijos pareciam traduzir mais vergonha do que outra coisa, quis dizer que à medida que os anos avançam, o casal parece que começa a sentir vergonha de se beijar. Dão uns beijos tímidos de vez em quando, como que a dizer, não penses que o meu amor mudou por ti, mas nunca mais acontece aqueles beijos roubados e aquele beijar que parece fundir uma alma à outra. Felizmente, a relação com a minha mulher ainda não cheguei a essa fase, mas mentiria se dissesse que não vivo assustado com a ideia de que isso possa acontecer-nos...

      Eliminar
  4. Em vez de julgarem... Pensemos que isso deve acontecer por alguma razão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim.,ela nao quer estar ali mas paga o preco para nao ser solteira.

      Eliminar
    2. Sem dúvida que deve haver uma razão. O preço do gasóleo e as promoções do Continente, por exemplo...

      Eliminar
    3. Pode ser o preço do gasóleo. Como ela pode ter algum problema emocional que a esteja a impossibilitar de se relacionar.
      Falar com ele seria boa ideia.

      Eliminar
  5. Aqui está provado que a mulher consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo e o homem só pensa e só consegue fazer uma....:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, em pensamento consegue fazer muita coisa de facto... :)

      Eliminar
  6. Faço o mesmo. ahahahaha

    ResponderEliminar
  7. Não sabemos a vida dela. A mim já me aconteceu o mesmo e amo muito o meu marido. Mas às vezes estamos a passar por fases tão complicadas, há tão pouco tempo para tudo, temos tanta coisa na cabeça que nem nos damos ao luxo de parar de 1 minuto e parar de pensar nas coisas. E ao meu marido também sei que também já aconteceu o mesmo. E isto não define uma relação porque são apenas momentos da vida.

    ResponderEliminar