sexta-feira, 8 de junho de 2018

Segredo.08.15


24 comentários:

  1. Há quem o faça por motivos piores, eu não a vou julgar. Cada um sobrevive com as armas que tem. O meu lado moralista espera que não volte a precisar que ninguém lhe pague seja o que for a troco de sexo, agora que já tem um arsenal maior. Boa sorte :)

    ResponderEliminar
  2. Eu não acho mal nenhum existir este tipo de ajuda, se ajudou foi porque pode ajudar.
    Eu já vi pessoas a ajudar outras sem as conhecer de lado nenhum, mas é raro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto nao foi uma ajuda foi uma troca, uma prestacao de servicos. Ajudae e' nao querer nada em troca, tanto ele como ela queriam coisas um do outro, um queria sexo sem compromisso o outro queria dinheiro.

      Eliminar
  3. e depois do curso pago o homenzito foi despedido ou continua a tirar "dividendos"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que isso já não lhe diz respeito.

      Eliminar
  4. Os fins justificam os meios, ou por outras palavras, não importa qual for o caminho tomado, desde que o resultado seja vitorioso...
    Conseguiu o seu curso, logo, pode considerar-se vitoriosa, mas para os anais da sua história, apenas uma realidade saltará à vista. Você vendeu o seu corpo em troca de um pagamento, logo, já sabe que nome se dá a isso...

    Um pessoa arrependida, é aquela que se arrepende dos erros que cometeu, e trabalha para que nunca tenha de repeti-los de novo, mas se você não estiver minimamente arrependida...é natural que o uso deste método, que tão boas provas e facilitismo lhe deu, não deva resumir no futuro apenas o curso que tirou...

    Mas a vida é sua. Faça dela o que quiser.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem somos nós para julgar?Muitas vezes se estivéssemos na pele dos outros como faríamos?A vida ensinou-me ,não julgues os outros sem antes andar na suas sandálias.
      Boa sorte na sua vida, que tudo lhe corra bem.E que não precise repetir isso.

      Eliminar
    2. Muita gente vende o corpo. Uns o intelecto. Outros o suor. Ela foi pelo sexo.
      Who cares.

      Eliminar
    3. Anónimo(14:23), quem somos nós para julgar?...e quem seriamos nós para não fazê-lo? Julgar é algo intrínseco ao homem. É parte da sua natureza, da sua existência, da racionalidade com que foi concebido. Consciente ou inconsciente, seja em voz alta ou apenas em pensamento, todos nós julgamos tudo e todos à nossa volta...e ainda bem. É porque continuamos a existir.

      Eliminar
    4. Anónimo(15:21), não creio que sejam coisas comparáveis...

      Eliminar
    5. Franscisco, há quem ache que sim, há quem ache que não.
      Há gente que nem pensar em trabalhar nas obras derramar suor.
      É um serviço.

      Eliminar
    6. Anónimo(03:25), há gente que tem preguiça de pensar...quanto mais de trabalhar...
      Não querem derramar suor nas obras, ou na industria, mas não se importam de levar com o suor dos outros por cima delas quando querem pagar um curso...

      Eliminar
  5. Há quem faça sexo sem qualquer tipo de vontade. Pessoas que estão em relações e fazem no como um frete. De borla, ainda por cima. Você, com ou sem vontade, fê-lo por um objectivo. Portanto, bola para a frente. Pode parecer cínico este meu discurso, mas pelo mdnos não é hipócrita.

    ResponderEliminar
  6. Pessoalmente nao gosto de prostituição, nem da parte de quem é prostituta/o, nem da parte dos clientes.
    Não queria para mim, nem para a minha familia , nem para os meus amigos. Se nao acho bem para os meus , tambem nao acho bem para os estranhos.
    E´ perfeitamente possível estudar e trabalhar num local qualquer ao mesmo tempo , conheço muitos exemplos e de cursos bem trabalhosos e dificeis em que as pessoas eram oficialmente trabalhadoras estudantes, ninguem teve que se prostituir.

    Claro que podemos entrar no argumento de que cada um faz o que quer com o seu dinheiro e os seus genitais e se a autora os quer vender (ou alugar) é problema dela, obviamente.

    Tambem nao acredito que isso vá ser um caso isolado, nao acredito na posiçao "ex prostituta" por varios motivos, um deles é pela relaçao dinheiro versos trabalho por hora. A autora se estudou no publico recebeu á volta de 6 000 euros, se estudou no privado á volta de 20 000 euros. A autora lá sabera as vezes que fez sexo para receber esse dinheiro, e sabe que se esse numero define o valor por hora , pelo dinheiro que recebeu , foram sessoes de sexo muito caras e rentaveis.
    Vai agora habituar-se a ter um trabalho normal para Portugal e a receber um valor normal e a pagar impostos ?
    Duvido muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um ano de propinas numa universidade pública custa cerca de mil euros. Ganhar 1000 euros num ano parece-lhe assim tanto?....

      Eliminar
    2. E as despesas extra? Quarto, alimentação, transportes, fotocópias/livros, etc etc
      Não viveu do ar.

      Eu concordo com a opinião do anónimo. Foi prostituta porque quis porque há muitas formas de se conseguir fazer o percurso: há propinas, muitas universidades têm alojamento próprio, há bolsas de mérito, bolsas sociais (pagam serviços através do trabalho na universidade) e há inúmeros outros trabalhos que muitos fazem.

      Foi prostituta porque quis.

      Eliminar
    3. Por umas horas de sexo? Sim
      Mas ai esta,depende das horas que ela teve sexo num ano, total de 10, 20 ou 1000 depende.
      Um trabalho normal recebe entre 5 a 10 euros por hora, se ela escolheu a prostituicao entao faz sentido que tenha recebido mais por hora.

      Eliminar
    4. Propinas, livros, alojamento se o houve, alimentação, copos, roupa e calçado. Não são só propinas. E sim, se o estilo de vida foi acima da média, não vai ser fácil habituar-se a viver só com um salário médio, que é muito baixo atualmente. São escolhas, nem mais acertadas nem menos, que outras. Todos temos um preço em situações limite. Não me choca nada.

      Eliminar
    5. Sim, mas autora disse que lhe foi pago o curso, não que a pessoa em questão sustentou a 100% todas as suas despesas diárias enquanto ela fazia o curso. São coisas diferentes.
      E um ano tem muitos dias, não sabe qual foi a frequência das relações sexuais. De qualquer forma, parece-me que terá sido um acordo, não um pagamento estipulado por hora. Foi uma troca, pronto. Quem sou eu para julgar? Haveria outras opções, há sempre - a autora escolheu esta.

      Eliminar
    6. Não faz muito sentido o que diz porque se não tiver rendimentos a bolsa paga as propinas.

      Eliminar
    7. Eu julgo. Acho a prostituicao uma pessima opcao, acho reles.

      Eliminar
  7. Não condeno... cada um faz o que quer.... e se os dois tiveram de acordo não há nada a dizer de mal :)
    Mas se a propina for de uma privada... saiu carote ao homem :)))

    ResponderEliminar
  8. Não tem julgo, não enganas-te ninguém. Se não te arrependes ainda bem, porque se fosse o contrário ias te sentir mal a vida toda.

    ResponderEliminar