terça-feira, 19 de junho de 2018

Segredo.19.10


8 comentários:

  1. Comece por atirar lixo para o chão dentro da vossa casa, tipo cascas de banana e coisas assim, logo que seja bem à vista de todos e se alguém quiser reclamar...pergunte a razão disso ser um problema. Não se pode sujar aquilo que é nosso mas pode-se sujar aquilo que é de todos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cascas de banana, frutas, não são lixo, é tudo biodegradável. O meu caro, já agora, abdica de ter telemóvel, carro, de comprar frutas exóticas? vamos ver o impacto ambiental disso tudo?

      Eliminar
    2. Pedro Leitão, essa lógica de que se não podemos ter uma conduta perfeita, mais vale fazermos tudo mal, é muito errada e própria de quem não quer fazer absolutamente nada para reduzir o seu impacto. Então, porque compro um smarthphone a cada cinco anos, vou também comer carne todos os dias (com o enorme impacto ambiental que tem), deixar de reciclar e começar consumir à maluca?

      Eliminar
    3. Pedro Leitão, disse cascas de banana...como também podia ter dito o papel higiénico depois de usado na casa de banho ou os restos da comida que deixamos no prato, mas o grotesco e a grosseria não fazem parte dos atributos que gozo ter. Abdico de bom grado do telemóvel porque, verdade seja dita, uso-o muito raramente e sinto-me muito mais livre sem ele, mas aquilo que pareceu questionar no seu comentário, é a diferença entre a poluição provocada por aquilo que deve ser considerado como um bem de primeira necessidade...e hábitos de poluir que à meu ver são perfeitamente desnecessários e gratuitos. Já sei que somos humanos e a nossa natureza leva-nos a produzir muito lixo, mas não temos que estar forçosamente a pisá-lo ou a tropeçar nele todos os dias, e, muito menos ainda, obrigar os outros a limpar toda a merda que fazemos porque embora toda a gente se sinta um Rei...a verdade é que ninguém é nosso criado.

      Eliminar
  2. Tu estás certa. Eles é que estão errados. Infelizmente, há muita gente assim. Demasiada. Parabéns, por seres diferente.

    ResponderEliminar
  3. Felizmente não lhes seguiu os passos. Isso mostra que você é consciente e civilizada, apesar de viver com quem é o contrário.
    De facto, por vezes parece que nascemos na família errada, numa família em que em nada nos revemos, em que todos pensam e vêem o mundo ao contrário de nós. Neste caso, é você que está certa!

    ResponderEliminar
  4. Hoje enquanto conduzia a minha mãe atirou um papel de rebuçado pela janela (do meu carro) e eu disse:
    "não faças isso!" e ela: "é só um papelinho pequeno que voa com o vento"
    Então eu: "pode ser que o vento o leve para o mar, um peixe coma o teu papel e depois tu comas o peixe!!"
    Indignada diz ela:"que nojo! "
    "então não atires lixo para o chão "

    Pode ser que hoje tenha aprendido qualquer coisa...

    ResponderEliminar
  5. Foi e é uma luta para mim, com os meus pais também. Nem é só uma questão de preservar a natureza (embora seja a principal), é uma questão de educação. Se em nossa casa não se deita lixo no chão e a minha mãe até é particularmente limpa e louca de limpezas, por que raio haveríamos de mandar lixo para o chão da rua? Que luta!! É ir no carro e atirar papeis pela janela, como nos tempos de antigamente. Onde anda o civismo? Onde anda a educação? Onde anda a preocupação pelo espaço que é de todos? E pelo ambiente? Enerva-me! Enerva-me esta atitude de "sou muito limpa em casa" mas atira lixo para o chão na rua.

    Há uma velhota vizinha da minha avó que leva o lixo ao contentor, abre o contentor com um lencinho para não tocar diretamente no mesmo, deita o lixo, fecha e depois atira o lenço para o quintal ao lado. Chama-se ser porco, não há outra explicação.

    ResponderEliminar