quarta-feira, 11 de julho de 2018

Segredo.11.17


38 comentários:

  1. Não vejo como isso possa contribuir para a sua felicidade.

    Nuno

    ResponderEliminar
  2. Típico de quem não tem mais que fazer, portanto. Credo. Get a life.

    ResponderEliminar
  3. Faço o mesmo mas na praia 😜

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. De algumas mulheres. Não generalize, por favor !

      Eliminar
    2. E de alguns homens.
      Ou se for um homem a ter este vício, ele deixa de ser homem?

      Eliminar
    3. Se quiser generalizar, posso dizer-lhe que, pela experiência que tenho (trabalhei durante muitos anos em ambientes onde os homens eram a maioria) os homens são muito mais coscuvilheiros e mais má língua que as mulheres.... as "câmaras de vigilância" da rua são autênticas meninas em comparação.

      Eliminar
    4. Aqui na minha terrinha os homens são bem mais dados à coscuvilhice do que as mulheres

      Eliminar
    5. hahahahahaha sejam bem vindos ao Shiuuuu, o único lugar do planeta onde os homens passam por ser mais "coscuvilheiros" do que as mulheres. lol!

      Eliminar
    6. Que comentário tão 1940...por favor.

      Eliminar
    7. Os homens são uns santos 🙄🙄

      Eliminar
    8. Até parece que todas as mulheres são assim, os homens são uns santos.

      Eliminar
  5. Se estão a falar na varanda, não deve ser nada de muito relevante... e quem diz na varanda, diz no autocarro, na praia, numa sala de espera...
    Toda a gente o faz, alguns dizem que não ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a gente o faz? Gostei dessa. E ainda dizem que eu tenho a mania de generalizar...

      Eliminar
    2. Oh pois claro!! Há pessoas que tapam os ouvidos. Esqueci-me dessas...

      Eliminar
    3. Filomena, muitas vezes oiço cada alarvidade que sou mesmo forçado a tapar os ouvidos...
      Mas diga-me, será que eu tenho o direito de não nutrir qualquer interesse pela vida das outras pessoas? ou será que sou obrigado a fingir que sinto empatia por elas?
      Certo dia houve um conhecido meu que sentou-se ao meu lado no balcão do café, falou comigo durante mais de 1/2 hora enquanto eu lia o meu jornal e sem que eu lhe tivesse respondido uma única vez e no fim...não consegui lembrar-me de uma única palavra que ele me tenha dito. Será que eu tenho o direito de ser assim? Ou sou obrigado a reter tudo aquilo que me dizem?

      Eliminar
    4. Claro que não tem que reter, mas o segredo não é "retenho as conversas"... é só "ouço as conversas". É como quem vê uma novela...
      Não ouve as conversas de conhecidos, mas anda sempre aqui a ler e comentar segredos. Não é assim tão diferente dos comuns mortais.

      Eliminar
    5. Anónimo das 00.13h, o melhor comentário!Sem dúvida assertivo!!

      Eliminar
    6. Filomena, mas aqui ninguém me conhece, nem eu conheço, nem estou ligado à vida de ninguém, não tenho que ser politicamente correcto nem tenho que fingir que sinto empatia pelas pessoas. Aqui posso revelar a minha verdadeira natureza e sentir-me livre ao saber que posso ser a pessoa que realmente gosto de ser. Acho que há aqui uma grande diferença, não? Se venho aqui ler e comentar segredos, é precisamente por ter a certeza que, desta forma, nunca estarei ligado nem a invadir a vida de ninguém.

      Eliminar
    7. "Aqui posso revelar a minha verdadeira natureza e sentir-me livre"... ui!! Eu faço isso todos os dias da minha vida, mesmo quando ouço a conversa dos outros. Lamento que no seu dia a dia tenha que fingir o que não é.

      Eliminar
    8. Filomena, consegue revelar a sua verdadeira natureza e sentir-se livre todos dias? Peço-lhe desculpa por dizer isto mas...esse tipo de tretas oiço eu também todos os dias. Como é que pode falar em "liberdade" se a sua felicidade também se baseia na necessidade de ter que ouvir as conversas dos outros? Nem você, nem eu, nem ninguém no mundo é verdadeiramente livre. Vivemos apenas a ilusão da liberdade.

      Eliminar
    9. A minha felicidade baseia-se na necessidade de ter que ouvir as conversas dos outros? De onde tirou isso?
      Nem a minha nem a de quem escreveu o segredo certamente.
      Sim, revelo a minha verdadeira natureza e sinto-me livre todos os dias, não é uma ilusão. Não conhece a minha vida nem a minha maneira de ser para dizer que são tretas. A vida não se resume à sua maneira de viver, há mais mundo, há mais mentes, há mais verdades. Há vida fora do umbigo do Pensador.

      Eliminar
    10. Filomena, não cara amiga, você está muito longe de ser livre porque, tal como todos os outros, por respeito, medo ou educação, você não diz sempre tudo aquilo que pensa, não faz sempre tudo aquilo que quer, não come sempre tudo aquilo que gosta, não viaja sempre para onde gostaria de viajar nem conhece todos os lugares que gostaria de conhecer, etc, etc, para além da sua mortalidade que é o maior e mais conhecido limitador de liberdade de todos, logo, você pode sentir-se livre dentro da escrava vida que nos toca a todos mas é apenas o seu subconsciente a querer defendê-la, mantendo-a nesse estado ilusório para que consiga viver feliz.
      Não preciso de conhecer a sua vida porque toda a vida tem um único destino. Morrer. Logo, que porra de liberdade pensa você ter?

      Se a sua felicidade se baseia na necessidade de ter que ouvir as conversas dos outros? Você pensa não ter afirmado isso mas disse-o de várias maneiras ainda que não consiga aperceber-se disso. É normal. Mas para que perceba melhor, lanço-lhe um desafio. Consegue imaginar-se a passar o resto dos seus dias sozinha numa ilha deserta sem ter ninguém com quem falar? Não pois não? Pois...esse exemplo é bem demonstrativo da falta de liberdade que você jura sentir "todos os dias" e a prova de que a sua felicidade se baseia na necessidade de ter que ouvir as conversas dos outros ou comunicar com eles...

      Aliás, bastou você afirmar que há mais mundo, mais mentes e mais verdades espalhadas pelo mundo, para dar a conhecer a sua escrava ânsia por conhecê-las...

      Liberdade disse ela...

      Eliminar
    11. Pensador, muita treta num comentário só, credo!!
      Toda a sabedoria e entendimento que pensa que tem da vida resume-se numa palavra: balelas.
      Vou à minha vida que tenho mais que fazer.

      Eliminar
    12. Compreendo-a perfeitamente Filomena. Se tivesse levado com a "pancada" humilhante que você acabou de levar, também era capaz de ficar um pouco aborrecido... :)))

      (Ps: Tem assim tanto que fazer? Não me diga que tem compromissos por resolver? Então que foi feito da sua liberdade, fugiu???) :)))

      Eliminar
    13. Pancada humilhante?
      Compromissos são sinal de falta de liberdade?
      Aborrecida é a palavra certa, você é um tédio e não sabe o que diz, já perdi tempo demais consigo.

      Eliminar
    14. À já agora, não precisa de responder mais, tem toda a razão. Está corretíssimo em tudo o que disse. Aliás, tudo o que escreve em todos os comentários, passados e futuros são a absoluta razão.
      Não mais me atreverei a discordar de mente tão iluminada...
      Felicidades.

      Eliminar
    15. Filomena, se os compromissos são sinal de falta de liberdade?
      Mas você ouve sequer ao menos aquilo que diz???

      Que desilusão!!

      Eliminar
  6. E com esse "às vezes" entendi perfeitamente que os seus vizinhos não costumam conversar todos os dias na varanda...

    Que raio de mania essa que muitas pessoas têm de estar sempre a tentar invadir a vida dos outros...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que raio de mania das pessoas falarem em espaços abertos para as outras ouvirem.
      Queremos silêncio xD

      Eliminar
    2. Anónimo(10:56), ainda se tivessem uma vida que valesse a pena ouvir... :)))

      Eliminar
  7. Eu faço sempre isso. Ouço as conversas alheias, seja na varanda, no autocarro, no trabalho. E já me têm vindo parar informações relevantes. Ou não. Não é invasão da vida alheia se as pessoas se expõem! Se falam no café e no autocarro como se estivessem numa câmara a prova de som a culpa é de quem tem ouvidos?

    ResponderEliminar
  8. Desde que você guarda segredo tudo bem!

    ResponderEliminar
  9. Eu, ao contrário dos comentadores deste segredo, tenho um botão, que dá para desligar, quando outros estão a falar perto de mim...(é melhor dizer que é ironia)
    Por amor á santinha, então se os vizinhos falam na varanda, querem o quê? Que a pessoa saia da varanda, do autocarro, ou seja de onde for, porque é ser "coscuvilheiro" ouvir as conversas dos outros? Ou são as pessoas, que se têm assunto que não querem que os outros oiçam, os devem conversar em privado?
    Sejamos razoáveis e coerentes

    Rosarinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exato, tem vizinhos que falam tão alto, que você mesmo dentro de casa ouve tudo, vai fazer o que? vai sair de sua casa para não ouvir o que falam?.

      Eliminar
  10. Eu estes dias vinha no autocarro a ouvir uma jovem explicar como foi a primeira vez anal dela. Digamos que só não ouviu quem fosse surdo.

    Eu não procuro ouvir as conversas alheias mas há situações em que é impossível. Se estou sem nada para fazer e as pessoas falam alto como tudo... Paciência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais, foi exatamente o que falei, tem situações que uma pessoa não pode fazer nada.

      Que raio de conversa para pare se ter no autocarro...

      Eliminar
  11. Muitos dizem que é feio ouvir, mas tem situações em que é impossível uma pessoa não ouvir, quer dizer vou no autocarro, e alguém ao lado esta a falar, que culpa tenho eu, se estou a ouvir? vou mudar de autocarro por isso? As pessoas é que devem ter cuidado com o que falam em público, depois que não se queixem se alguém ouve.

    ResponderEliminar