terça-feira, 20 de novembro de 2018

Segredo.20.17


40 comentários:

  1. Eu recomendo um psiquiatra para a criança, é isto que o progressivismo de esquerda traz, a normalização da homosexualidade e alguns miúdos ficam confusos...talvez consiga dar a volta, muita força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem disse que é uma criança?
      Já experimentou "dar a volta" à sua heterossexualidade?

      Eliminar
    2. Eu recomendava um psiquiatra para ti.

      Eliminar
    3. A "normalização da homossexualidade"?? Mas quê, ser homossexual é ser anormal? Se é esse o seu ponto de vista parece-me que há muitos "heterossexuais" que, de facto, são muito anormais! "Talvez consiga dar a volta"??! Dar a volta a quem?! Acho que lhe deviam era dar a volta a si, para ver se deixa de ter uma mente tão fechada/retrógrada!

      Eliminar
    4. A criança? Sabes lá que idade tem ele 😂
      A culpa não é da orientação da pessoa, mas sim das pessoas que acham que há algo de mal nisso e que podem tratá-la mal por isso.

      Eliminar
    5. Este comentário devia ser removido! Que vergonha!

      Eliminar
    6. Misturar homessexualidade com politica é obra... Mas olhe que não é devido ao progressismo de esquerda porque a esquerda come criancinhas portanto nem lhe dava tempo para se revelar... Por amor da santa... Este comentário parece que foi repescado de um livro aprovado pré 25 de Abril. Meu senhor ou minha senhora, a homossexualidade não é uma confusão, uma moda ou algo que só surja numa determinada idade. Aliás, se perguntar a algum homossexual quando é que descobriu a sua orientação sexual, a mais provável resposta que vai receber é que sempre soube. Portanto deixe o preconceito e as politiquices de lado e abrace a evolução de nos assumirmos como somos, sem vergonhas ou tabus.

      Eliminar
    7. Não podemos alimentar os trolls. O melhor é ignora-los.

      Nuno

      Eliminar
    8. Anónimo21 de novembro de 2018 às 08:08, o comentário não deve ser removido, porque é uma opinião tão válida quanto outra- A homossexualidade não é anormal, mas hoje em dia parece que o estranho é ser heterossexual, andamos todos a "publicitar" as LGBT´s, e quase que temos vergonha de ser hetero. Todos achamos normal mas ninguém quer ter um filho gay.

      Eliminar
    9. Ao anónimo das 13:17

      "O orgulho gay não nasceu da necessidade de celebrar ser gay, mas do nosso direito de existir sem perseguição.
      Então, ao invés de se perguntar o porquê de não existir um movimento de orgulho hétero, seja grato por não precisar de um"

      Eliminar
    10. Anónimo21 de novembro de 2018 às 14:5 . Por considerar normal ser gay, lésbica, bi ou heterossexual é que acho completamente desnecessário movimentos LGBT´s, que até envergonha as figuras que fazem , mais parece um desfile carnavalesco.

      Eliminar
    11. Anónimo das 13:17

      Pois, de facto nenhum de nós QUER ter filhos gay. Sabe porquê? Porque eles passam as passinhas do Algarve graças a mentecaptos como o comentador dos "progressistas de esquerda" e têm a vidinha muito mais dificultada do que os heterossexuais. Esta é a razão por que não QUERO um filho gay. Mas se o meu filho for gay, quero mais é que ele seja feliz e que viva a sua homossexualidade com a mesma liberdade, abertura e transparência com que eu vivo a minha heterossexualidade. E quero mais é que chegue o dia em que deixa de se debater esta questão porque já não é necessário, porque já ninguém se preocupa com a vida dos outros. Porque a mim a homossexualidade dos outros afecta-me, vá, ZERO. Tal como a heterossexualidade dos outros me afecta ZERO. Não é a minha vida, não me diz respeito, não me aquece nem me arrefece... nem percebo por que é que as pessoas tem de opinar ou de se sentir melindradas pela sexualidade alheia.

      Eliminar
    12. Anónimo21 de novembro de 2018 às 17:01 sou a comentadora das 13:17 e o seu comentário disse tudo a homosexualidade é um não assunto na minha vida, por isso não me revejo como cidadã na necessidade de desfiles de homossexuais, lgbt´s, quero lá saber o que fazem entre 4 paredes e com quem fazem.

      Eliminar
  2. O peso no peito é normal, o estar desiludida faz parte e a tristeza também. Chorei uns quantos dias seguidos quando soube do meu irmão. Achava que não ia saber lidar com a situação, achava que não iria conseguir olhar para ele da mesma forma, mesmo tendo grandes amigos gays, era o meu irmão. Apesar disso, a primeira coisa que lhe disse foi, "Não te preocupes, está tudo igual e podes contar comigo para o que precisares!" Hoje passados uns anos, já não me lembro disso, é tudo normal. Tudo vai ao seu lugar.

    ResponderEliminar
  3. Tenha calma, mantenha-se unida ao seu filho.
    Se nem sequer desconfiava, é normal que tenha sido um choque mas reagiu da forma correcta, não o recriminando. A homossexualidade já não é nenhum bicho de sete cabeças mas sabe-se que, em determinados meios, ainda há muitas batalhas a serem travadas.

    Força! Deixo-lhe um link (também há página no facebook) onde poderá esclarecer dúvidas e contactar com outros pais na mesma situação: http://www.amplos.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faço das palavras deste anónimo as minhas.

      Eliminar
  4. Não veja as coisas assim, se o seu filho partilhou algo tão intimo consigo é porque está a fazer um bom trabalho, a ser uma boa mãe.
    Aja como tal aceite-o como é e não deixe que ninguém, muito menos a família o julgue ou calque. Temos que mudar as mentalidades!

    ResponderEliminar
  5. Também não sei como vai lidar com isso, mas sei como deveria fazê-lo. Sempre ao lado do seu filho, para o mal e o pior, e a cabeça sempre bem levantada. Nunca se justifique, os amigos não precisam e os inimigos, por melhor que seja, não acreditam, logo, é latim mal gasto e totalmente perdido.
    O pai pode não aceitar e a família inteira pode rejeitá-lo, mas para o seu filho ter a sua mãe do seu lado poderá ser a única coisa que verdadeiramente lhe importa e o impedirá de sofrer.

    ResponderEliminar
  6. Deve estar muito orgulhosa de si! Não ligue à opinião dos outros! Não deve ser um processo fácil, mas fique sempre do lado do seu filho! Grande mãe!

    ResponderEliminar
  7. O mais importante é ele ser feliz e certamente terá ficado ao perceber que a mãe o apoia. Ser homossexual não é uma escolha... Com mais de 40 anos e casada há 20 com um homem, descobri que era homossexual ou bissexual, ainda não sei. Apaixonei me perdidamente por uma mulher! Amo a como nunca tinha amado. Não escolhi apaixonar me por ela, aconteceu! Acima de tudo, apaixonei me pela pessoa. Mantemos uma relação há 6 meses e nunca fui tão feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A felicidade já levou muita gente para o inferno.

      Eliminar
    2. E se calhar estão mais felizes no inferno do que ficariam no céu.

      Eliminar
    3. Para ignorante, outro ignorante igual mais um meio.

      Eliminar
  8. Ele conta certamente, para além dos medos e dúvidas e tudo dele, com os seus. Desabafar com ele (e ele consigo - que sorte!) pode ser o melhor caminho - certamente melhor que penarem sozinhos, certamente melhor que atirarem areia para os olhos um do outro, certamente melhor que fazerem bichos de sete cabeças em vão. Fale e ouça, não têm que fazer o caminho todo sozinhos.

    ResponderEliminar
  9. Não o podes abandonar! Se toda a família irá reagir mal... tens que ser tu a apoiar! Não vai ser fácil, mas com amor e carinho conseguimos chegar lá!
    mas o mais importante é saber como a família irá saber... se por acaso ou por comunicação de vocês os dois!
    Muita força! Vai conseguir!

    ResponderEliminar
  10. Sei que é difícil para alguns pais digerir este tipo de notícia. Primeiro os pais têm que ultrapassar e aceitar para si mesmos, só assim poderão ajudar e aceitar plenamente os seus filhos. A sexualidade é apenas uma faceta do Ser Humano, não é a totalidade da sua essência. Sou mãe de um transexual, e se estiver interessada poderemos conversar. Não sei onde mora, mas posso aconselhar-lhe a associação AMPLOS, uma associação de pais pela autodeterminação sexual dos seus filhos. Desejo-lhe tudo de bom, mas em particular para o seu filho. Lembre-se, a vida é dele, e é ele que terá que passar todas as provações. Vai precisar do seu apoio.

    ResponderEliminar
  11. Mantenha-se sempre ao lado do seu filho. A opção é dele e deve ser respeitada, ele para si continua o mesmo. Fique com ele nem que seja contra tudo e contra todos. Eu ficaria, por mais difícil de digerir que isso fosse para mim. Boa sorte e mtas felicidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo muito certo, excepto que não é uma escolha... Ser homosexual não é escolha... ;)

      Eliminar
    2. Seguir as leis da natureza e não embarcar em prazeres ilícitos, é uma escolha.

      Eliminar
    3. Pedro Leitão não seja ignorante, sabe que na natureza a homossexualidade é algo normal

      Eliminar
    4. Não ser estúpido é uma escolha. Já quem nasce ignorante não escolhe.

      Diga lá senhor leitão. Quando é que escolheu ser heterossexual.

      Eliminar
    5. Anónimo21 de novembro de 2018 às 19:03
      "Diga lá senhor leitão. Quando é que escolheu ser heterossexual. " Não escolheu, é a condição humana. Apenas uma infíma percentagem da população mundial é hermafrodita, todos os demais nascem heterosexuais.

      Eliminar
    6. Anónimo das 12:35

      Todos os demais nascem heterossexuais…????

      Ahahahahahahah

      Eliminar
    7. Anónimo(12:35), você precisa de voltar para a escola...e urgentemente...

      Eliminar
    8. Temos que dar um desconto à ignorância. Há quem queira falar sobre homossexualidade mas nem sequer sabe a diferença entre o sexo biológico, a orientação sexual e a determinação sexual... É como tentar explicar a um cego o que é a cor.

      Efectivamente nunca escolheu ser heterossexual porque isso não se escolhe, sente-se. E também ninguém escolhe ser homossexual.

      E é tão anti natura que não faltam exemplos de casos homossexuais em várias espécies de animais .. Mas lá está... Não podemos querer dar pérolas a porcos.

      Eliminar
    9. Anónimo23 de novembro de 2018 às 01:18
      Pérolas do marximo-culturalismo guarde-as para si, não quero que lhe falte chicória.

      Eliminar
  12. Oh querida, o que interessa é que o seu filho tem a mãe do lado dele a apoiá-la e isso é o mais importante pois uma mãe amiga e carinhosa é tudo na vida de qualquer filho (a)! O pai pode não aceitar de início mas se ele realmente amar o filho, vai acabar por aceitar mais cedo ou mais tarde, acredite. E as outras pessoas são apenas as outras pessoas, deixe elas falar e criticar o que quiserem, o seu filho não cometeu nenhum crime! Mta força para si!

    ResponderEliminar
  13. O que interessa é que esteja com saúde e feliz. O resto é só o resto. Felicidades para ambos. =)

    ResponderEliminar
  14. É triste pensar que o pai e restante família não aceitarão. No entanto, pense que já é uma benção para o seu filho tê-la do seu lado pois há quem não tenha ninguém nesta mesma situação! Tudo a correr bem e desejo-vos muita sorte e felicidade!

    ResponderEliminar