quinta-feira, 14 de março de 2019

Segredo.14.17


30 comentários:

  1. Mande esses "todos" dar uma curva!

    ResponderEliminar
  2. Este segredo podia ser meu!

    ResponderEliminar
  3. Sinal de inteligência! Situacao partilhada por milhares de jovens. Todos nós passamos pelo mesmo!

    ResponderEliminar
  4. Não tenho filhos pelo mesmo motivo e não há perspectiva das condições de vida virem a melhorar. E era o meu maior sonho... :(

    ResponderEliminar
  5. Estabilidade profissional/financeira para ter uma família, ainda sou capaz de compreender, agora, é preciso atingir assim tanta estabilidade por causa de...1 filho?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ao ter um filho não estão a aumentar a família? Mesmo que seja só um...

      Eliminar
    2. É "só" um filho que pesará no orçamento familiar...
      Se não há dinheiro, não se inventa.

      Eliminar
    3. Não percebi...Mas ter marido e filho não é ter uma família? Os bebés/crianças não comem ar. É verdade que nos dias de hoje se compram muitas coisas inúteis para os filhos mas mesmo só querendo o básico tem de haver dinheiro. E esperar que seja saudável. P

      Eliminar
    4. Pois porque 1 filho não come, nao usa roupa, não vai ao médico, não tem de ir para o infantário, não usa fraldas, etc etc etc.

      Eliminar
    5. Anónimos(09:24 e 11:54), talvez me tenha expressado mal...mas acho que ambos(as) devem ter entendido o que quis dizer. Como venho de uma família numerosa sempre vi a família como uma agrupamento mais alargado de pessoas e, sem querer ofender ninguém, talvez isso me tenha influenciado a criar o sentimento errado de que uma família não existe se não tiver pelo menos dois rebentos. Foi só isso.

      Eliminar
    6. Anónimos(11:22 e 19:50), e volto a perguntar: É preciso assim tanta coisa para sustentar um primeiro filho? Se a família continuar a crescer depois disso eu entendo perfeitamente, agora, só um filho?

      As pessoas têm ideias de sustentar um filho ou têm ideias de sustentar um Conde ou um Barão? É que há gente tão complicada das ideias que mal nasce o primeiro filho tratam logo de comprar um carro familiar de 7 lugares para poder transportá-lo com mais segurança...

      Há que haver alguns limites e bom senso, não? Já se sabe que qualquer filho nosso é mais importante e vale mais do que qualquer Rei sobre a Terra mas não podemos tratá-lo literalmente como se fosse um...

      Eliminar
    7. Francisco, um casal sem filhos já é uma família. E sim, um só filho já é um grande arrombo no orçamento doméstico da classe média.

      Eliminar
    8. Francisco. Tem de facto uma ideia errada de família. :) Tanto o é um casal sem filhos como um com 10 filhos. :)
      E embora concorde consigo que nos dias de hoje há quem abusé e compre coisas completamente desnecessárias para um bebé/criança, a verdade é que um filho é uma despesa extra. Precisa de comer, de roupa, material escolar, acesso a cuidados médicos.
      As fraldas custam dinheiro, o leite adaptado (caso não amamente) também, roupas, há vacinas caras, há tratamentos que às vezes precisam de ser feitos e que não dá para esperar por uma vaga no público, as creches, cadeiras auto etc, nada disto é supérfluo e descartável e custa dinheiro. É verdade que antes criavam-se os filhos todos com pouco mas também não havia tanto acompanhamento dos pais, havia muitas vezes mais ajuda familiar, herdavam-se coisas de familiares, não havia cá obrigação de usar cadeiras auto e outras coisas que agora são obrigatórias e custam dinheiro...Um filho não se cria com ar e se um casal acha que não há entrada certa de dinheiro todos os meses então é normal que não arrisque.

      Eliminar
    9. Não é preciso muita coisa para sustentar um filho?! Essa é boa.
      Não se trata do bebé ser um rei, mas acha que o mínimo chega?...
      Partindo do princípio de que nascerá super-saudável e será sempre assim.
      Construir família implica ter em conta de que poderão surgir imprevistos, o que implicará gastos extra... Quer com os filhos ou com os pais.

      Eliminar
  6. As pessoas são intrometidas e inconvenientes. Mande-os dar uma volta ao bilhar grande e parabéns pela presença de espírito para perceberem que ter um filho não é só engravidar. Esse bom senso falta a muita gente.

    ResponderEliminar
  7. A mim não há um dia que não me perguntem, mesmo sabendo que o meu namorado está atualmente desempregado. Só com um salário, é impossível estar a dar passos desses. Além de que ainda queremos casar primeiro, portanto não será agora. Mas todos os dias alguém pergunta ou, pior, dá conselhos ou manda aquelas bocas de que já está mais do que na hora. É o meu corpo, a minha relação. Somos nós que decidimos se e quando queremos ter filhos. "Deslarguem-me!"

    ResponderEliminar
  8. Conheço casais que pensavam igual mas a verdade é que a estabilidade só veio por volta dos 40 e alguns se não tivessem engravidado por acidente nunca teriam conseguido ter filhos. Outros tentaram a 2ª vez vários anos depois e não conseguiram por ser tarde para a mulher. A minha cunhada o ano passado abortou 3 vezes porque a idade e o corpo já não é o mesmo.
    Antigamente todos os filhos se criavam e havia muito menos condições mas cada um sabe de si. Só desejo boa sorte! ♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois há sempre alguém com estes comentários aparentemente bem intencionados que só colocam pressão. Nenhuma mulher que quer ter filhos mas ainda não tem condições de o fazer quer ouvir dos abortos das outras pessoas que tentaram tarde demais ou de como alguém não queria e depois já não foi a tempo e que a idade anda. Todos sabemos disso, todos conhecemos histórias assim. Não é falta de informação. É responsabilidade. Ter filhos quando não se tem condições para o fazer (e não digo ser-se rico, ter a casa x, o carro y, um certo montante na conta) é irresponsável. É melhor ir tarde e já não conseguir do que fazer filhos sem os poder sustentar! Além de que essa conversa do "antigamente tudo se criava e havia menos condições" é muito linda mas antigamente os putos iam para a escola com sacos de plástico, usavam as roupas velhas e remendadas dos irmãos e a ideia de "onde comem 3, comem 4" era juntar mais água à sopa. Não é este tipo de vida que se tem agora. As crianças não precisam de luxos, mas há condições mínimas. Viver com medo de não ter o que pôr na mesa no dia seguinte ou se vamos ter emprego para continuar a pagar as contas e ter um teto onde viver, não é o melhor ambiente para trazer um filho ao mundo.

      Eliminar
    2. santa ignorância...
      ter filhos e depois não ter comida, roupa, capacidade para os mimar e educar é uma grande ideia é...

      Eliminar
    3. Disse bem antigamente! A minha mae teve 7 irmãos, é a mais velha, foi a que estudou menos anos, teve q ajudar a mãe até aos 40 mesmo estando casada. Aora critica os pais de terem tantos filhos e passrem parte das responsabilidade para os filhos mais velhos. A minha avó teve 8 filhos e 10 netos , sendo que 6 são filhos únicos.

      Eliminar
  9. Para o ultimo comentário (anónimo das 09.51), antigamente os tempos eram outros! Bem mais fáceis e com um custo de vida muito mais baixo do que agora. Um casal a pagar renda ou empréstimo da casa, com 2 salários mínimos, já é o que é, para suportar os encargos de um filho. Imagine-se em muitas situações que existem, em que uma família depende de UM salário apenas! Como é que se consegue? Passa-se fome? Talvez não mas anda-se a constar os tostões a todas as horas e os minutos. E isso não é vida!

    Para a autora do segredo, não se sinta mal por isso e ignore quem lhe maça com essas perguntas. Têm bom senso, como muitos outros casais não têm. A vossa oportunidade há-de surgir ;)

    ResponderEliminar
  10. Mas ainda bem que vocês pensam dessa maneira.
    Eu vejo casos e tenho na família também que não têm qualquer tipo de suporte para ter um filho mas como acham que toda a gente tem que ter filhos e de preferência o mais depressa possível, como se tivessem que provar algo a alguém.
    E pergunto eu, para que?
    Não é preferível, arranjar a vida minimamente e ter condições, uma criança engloba muitos encargos principalmente a nível financeiro e é importante que exista alguma estabilidade.
    Isto é o que eu penso e seria por estas regras que eu iria seguir se quisesse ter um filho, o que os outros querem, ou quando querem isso não me importaria minimamente.

    ResponderEliminar
  11. Por acaso acho que há vontade de estabilidade e muitas outras coisas que metem à frente (como viajar, casar numa festa brutal e caríssima e outros luxos ) e os filhos vão sendo adiados porque por algum motivo de acredita que são jovens para a vida toda.
    Para quem e indiferente ok. Para quem vê os filhos como prioridade convém pensar bem na situação
    A partir dos 35 anos a fertilidade desce a pique. Há quem gaste balurdios em tratamentos para tentar engravidar e mesmo assim não consegue.

    Se ter filhos e realmente importante convém pensar nisso e fazer por isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou a Autora mas também não sou mãe pelas mesmas razões. Casei apenas na Conservatória (com 4 convidados, os nossos pais) e já não viajo há mais de 6 anos. Nem carro tenho.
      Vivo razoavelmente bem, sem luxos, mas sei que se sofrer um acidente amanhã, descobrir uma doença grave ou qualquer outro imprevisto... Fico sem rede. As poupanças são muito poucas e, em caso de necessidade, sei que se irão rapidamente.
      Não ter um filho é um grande desgosto mas não posso arriscar-me a tê-lo.

      Eliminar
  12. Quem realmente os quer ter... tem! Isso da estabilidade financeira é uma treta. Tudo se cria. Agora se acham que ter um filho implica ter dinheiro para lhe darem tudo, acho que fazem muito em não os ter porque ser pai/mãe de alguém é muito mais do que isso.

    ResponderEliminar