Versão/Invisuais

Segredo.14.10
Já cheguei a trocar uns beijos com a mãe de uma ex-namorada, ela nunca descobriu.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1410.html#comment-form

Segredo.11.17
Eu quero ver o meu pai feliz, mas custa-me muito vê-lo apaixonado por outra mulher enquanto a minha mãe não consegue seguir com a vida dela
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1117.html#comment-form

Segredo.11.15
Ele não quer que volte ao trabalho após ter termos tido um filho e eu não acho justo desistir de algo que gosto
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1115.html#comment-form

Segredo.11.14
Nos primeiros meses após o falecimento da minha mulher, eu fiquei a viver num hotel porque não conseguia estar na nossa casa...
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1114.html#comment-form

Segredo.11.10
Não estava feliz no dia do meu casamento, porque sentia que aquilo não ía ter um final feliz. E não podia apenas anular aquilo tudo baseada numa sensação. Conclusão: estou divorciada.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1110.html#comment-form

Segredo.10.17
Sinto falta de Amor na minha vida.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1017.html#comment-form

Segredo.10.15
Estávamos no ano de 2008, eu tinha 28 anos de idade, e vivia apenas para existir, existia apenas para respirar.

Era uma vida completamente vazia, fracassada, destituída de qualquer sentido e objectivos. Trabalho - casa, casa – trabalho, isto quando tinha, e não vivia de subsídios ou ajudas de familiares. Comer, beber, fumar e vadiagem, más companhias, causando mau ambiente nos becos de alguns blocos residenciais (dia e noite), incomodando os residentes e transeuntes com linguagem e postura ofensiva, música desagradável com alguns decibéis a mais, sujando o espaço público sem qualquer pudor, discutindo assuntos inúteis e destilando ódio alheio, parasitando, aqui e ali, sem destino, sem pagar título de transporte nas viagens de combóio ou autocarro, e com gosto em desrespeitar e escandalizar. Sentia que todos me deviam tudo e que o mundo era uma fossa habitada por seres repugnantes que eu não compreendia, nem desejava compreender. Não tinha conseguido acabar o ensino obrigatório, nem o pouco que frequentei teve aproveitamento que me permitisse ter noção da realidade, entendimento dos grandes desafios da vida, conhecimento para arranjar um bom emprego ou empreender, quem sabe.
Vivia ao máximo, filosofia de vida essa que verdadeiramente, de máximo, não tinha absolutamente nada.

Um dia, vi um vídeo no YouTube, que me foi recomendado pela própria plataforma. Era de um Coach que falava de mudança de hábitos, de mentalidade de crescimento e de vencer na vida. Ainda hoje não encontro explicação para ter conseguido chegar ao fim dos 45 minutos do vídeo, sem ter fechado a janela, tal era a repulsa que eu sentia pelo meio intelectual. O que é certo é que esses minutos mudaram a minha vida para sempre.
A seguir ao primeiro vídeo, veio um segundo, depois um terceiro, e ao fim de umas horas dei por mim a pensar num turbilhão de coisas ao mesmo tempo, numa experiência indescritível de sentimentos mistos de raiva e espanto, e chorei durante horas até ao anoitecer.

No dia seguinte não fui trabalhar, não fui vadiar, não fui parasitar, nem incomodar ninguém, na companhia de pessoas pouco recomendáveis. No dia seguinte eu não fiz outra coisa que não fosse ver mais vídeos e ler mais sobre o tema que me tinha assaltado no dia anterior. Não quero deixar este texto muito longo, mas havia muito por dizer.

Em 10 anos, renasci. Comecei a aprender coisas novas todos os dias, inacreditavelmente, descobri que gostava de estudar e de ler. Comecei a aprender a escrever e a falar correctamente, aprendi matemática, filosofia e inglês. Daí à economia foi um saltinho, aliás, quando me tornei minimamente fluente em inglês, comecei a apreender cada vez mais, de dia para dia, a abrir os meus horizontes, a minha mente, a estudar história, geografia, conceitos de economia e de ciência política, etc. Ganhei todo um novo entendimento da vida, que me traz um bem-estar e felicidade que por nenhum texto poderia descrever. Mudei de casa, de companhias, deixei de beber e de fumar, instaurei o princípio do respeito ambiental, segui todas as regras de convivência saudável em sociedade, até os meus gostos musicais padeceram uma mudança radical. Alternei de trabalho em trabalho, onde me realizei profissionalmente e ganhei competências. Aprendi a fazer negócios, escolhas e consegui aumentar e diversificar os meus ganhos financeiros. Fiz as minhas primeiras viagens, conheci pessoas extraordinárias ao redor do mundo e encetei a prossecução efectiva de uma vida plena, preenchida de significado. Estabeleci metas e objectivos e lutei por eles com uma motivação que se alimentava de si própria a cada nova vitória. Deixei para traz o vazio, e hoje em dia quando vejo outras pessoas na rua, tal como eu era, penso muitas vezes, em como é triste que haja quem nasça e morra, sem nunca ter vivido e sem nunca ter sequer conseguido ver.

Arrependo-me profundamente de ter desperdiçado tantos anos da minha preciosa vida num ambiente tão fútil, maligno e viciado, sem qualquer base moral, ética, espiritual ou intelectual que me desse razão de viver e me permitisse ser alguém de que me orgulhasse. Hoje, quando olho para trás, não reconheço quem fui e a amargura de o ter sido é a única coisa que ainda não consegui ultrapassar. Mas lá chegarei.

Segredo.10.14
Mudar a minha forma de pensar, mudou como vejo o mundo.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1014.html#comment-form

Segredo.10.10
Sempre menti ao meu marido e à minha filha sobre quem realmente sou: uma mulher lésbica.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo1010_10.html#comment-form

Segredo.09.17
Durante o sexo não sou a única a usar lingerie, ele também veste. É o nosso little dirty secret.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0917.html#comment-form

Segredo.09.15
Já me envolvi com alguns homens que eram comprometidos. Ser casado ou namorar nunca me inibiu de nada. Além disso, nunca obriguei ninguém a nada.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0915.html#comment-form

Segredo.09.14
Durmo o ano todo com uma botija de água quente junto ás costas para me sentir como se estivesse acompanhada.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0914.html#comment-form

Segredo.09.10
Estou a apaixonar-me mais uma vez pelo meu ex-marido.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0910.html#comment-form

Segredo.08.17
Há uns anos através dum blog um homem apaixonou-se por mim. Eu fingi corresponder-lhe. Massajava-me o ego, meloso e "cego" por mim. 
Um dia fartei-me da carência e obsessão dele para ter namorada. Tive medo do desespero doentio. 
Não queria ter um futuro com um cobarde, fraco, egoísta, ridículo e tóxico como ele. Razões para ele nunca ter namorado. 
Só uma mulher como ele ou pior o pode querer. 
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0817.html#comment-form

Segredo.08.15
Já marquei encontros com desconhecidos com o fim de fazermos sexo. Gosto da adrenalina e da aventura...
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0815.html#comment-form

Segredo.08.14
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0814.html#comment-form

Segredo.08.10
Depois do funeral da minha mãe, cheguei a casa e vi uma vela a acender-se sozinha. 
Isso fez-me acreditar que existe alguma coisa após a morte e que a minha mãe continua comigo.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0810.html#comment-form

Segredo.07.17
Não termos tido um filho é o meu maior arrependimento...
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0717.html#comment-form

Segredo.07.15
Mamei no biberão até aos 13 anos de idade.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0715.html#comment-form

Segredo.07.14
Amo a mulher errada.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0714.html#comment-form

Segredo.07.10
Gosto mais do Inverno porque me permite esconder dentro da roupa quando saio à rua. Detesto o meu corpo.
Link: https://shiuuuu.blogspot.com/2019/01/segredo0710.html#comment-form



1 comentário: